Como ensinar matemática através dos jogos

Como ensinar matemática através dos jogos

Tempo de leitura: 3 minutos

Para ensinar com intencionalidade, qualquer que seja a disciplina, a professora precisa ter clareza nas intervenções que precisa realizar e nos recursos que serão utilizados nesse processo.

Quando se fala na aprendizagem da matemática, não se pode cogitar a adoção de apenas um recurso, mas é essencial explorar diversas alternativas para desenvolvimento de uma mesma habilidade, uma vez que cada aluno irá aprender de uma determinada forma.

Qual a importância do jogo no ensino da matemática?

Os recursos didáticos são importantes aliados da aprendizagem, pois desenvolvem o raciocínio lógico e aproximam a matéria como algo prazeroso e desafiador.

Nesse sentido, os materiais lúdicos geram encantamento nas crianças e promovem, além do desenvolvimento cognitivo, o desenvolvimento socioemocional também.

Os jogos ajudam a vivenciar regras, situações de frustração, trabalho em equipe etc.

Registre as ideias abaixo, mas não se esqueça de adaptá-las e criar seus próprios recursos de acordo com a necessidade dos seus estudantes.

 

1. Fichas escalonadas ou sobrepostas

As fichas escalonadas/sobrepostas têm esse nome, porque possibilitam que os números sejam trabalhados ao se posicionar um por cima do outro. É um recurso bastante versátil e que contribuem na compreensão do sistema de numeração decimal, como a composição e a decomposição de números.

 

2. Adivinhe se puder!

Esse jogo, disputado em duplas, tem como objetivo que cada aluno tente descobrir o número do seu adversário. Para isso, cada criança recebe um tabuleiro com algumas fichas e precisa fazer as perguntas certas para descobrir o número do colega. À medida que for eliminando alguns números, deve utilizar as fichas para isolá-los da partida.

 

3. Tabuleiro Material Dourado (QVL – Quadro Valor de Lugar)

O objetivo é utilizar um tabuleiro para manipulação do material dourado, possibilitando que a criança possa visualizar como são feitas as trocas entre unidade, dezena e centena.

 

4. Compras na papelaria

É um jogo de tabuleiro para o desenvolvimento da matemática, que trabalha o sistema monetário, a noção de notas e moedas. Cada criança joga o dado e deve andar o número de casas correspondente ao número sorteado. Ganha a criança que conseguir gastar menos dinheiro!

5. Coordenadas da multiplicação

É um recurso potente para ensinar a tabuada. Possibilita a memorização de forma que não seja traumática para os alunos, pois traz um raciocínio natural e contextualizado.

Nesse jogo, há duas linhas numeradas de 0 a 10 (uma na vertical e outra na horizontal) que, quando se cruzam, formam o resultado de dada operação de multiplicação.

Na prática, a criança deve sortear duas posições que representam as suas coordenadas e fazer o cálculo mental. Caso consiga, marca dois pontos, caso necessite de ajuda da professora, marca apenas um.  Vença quem fizer mais pontos, após todas as rodadas da brincadeira.

6. Máquina de multiplicação

Para criar a máquina de multiplicação, bastam duas roletas numeradas e muita intencionalidade. Ao girar as roletas, com os números sorteados poderá ser feito tabuada, ditado etc.

 

Além das atividades citadas, temos ainda a subtração com Tangram, a trinca numérica, a memória dos números, a adição com material concreto e a batalha dos números. Se quiser ver como todas elas funcionam, clique aqui e assista a nossa live com as meninas da Illuminare Ateliê Didático.

Usando recursos didáticos convencionais ou não, o importante é que sejam utilizados com protagonismo pedagógico para servirem, realmente, como elementos capazes de democratizar o saber na sala de aula, em prol de uma educação de qualidade.

Por fim, se esse conteúdo fez sentido para você e você se interessa por ideias práticas do assunto, clique aqui e conheça o RAP – Recursos e Atividades na Prática.

Gostou? Então, curte e compartilha!

Siga @clarissapereirapedagoga nas redes sociais. Lá nós damos dicas todos os dias para deixar a sua prática de sala de aula mais leve e doce.

Grande abraço,

Iara Rodrigues

(Texto redigido por Iara Rodrigues e revisado por Daiane Garcia).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.