Ensino e avaliação na pandemia: o que priorizar no ciclo de alfabetização

Tempo de leitura: 5 minutos

Calma! Não surta! Eu estou aqui para te ajudar… Estamos vivendo um momento completamente diferente pra todo mundo! É uma situação completamente nova, que exige sensibilidade, criatividade e empatia! Professores estão sendo cobrados pelas coordenações que, por sua vez, são cobrados pelos pais. No fim das contas, esbarra tudo lá no aluno. E não é isso que queremos. Queremos sanidade física e mental para todo mundo e, para isso, é preciso repensar… 

Neste período de pandemia, cabe uma retomada das concepções de infância, aprendizagem, currículo. Talvez, até o início de 2020, estávamos em um piloto automático e a situação do coronavírus veio quebrar com determinados tipos de ensino, tendo em vista a necessidade de reestruturar atividades, avaliações e formas de ensinar. 

Agora, no fim do ano, a demanda que os professores aumentou, visando o fechamento do ano e visando, também, as perspectivas para 2021. A partir deste artigo, queremos ajudar você a pensar em o que deve ser priorizado no ensino e nas avaliações do ciclo de alfabetização. 

O que priorizar no ensino? 

Conforme os autores que sempre estudamos aqui, com ênfase em Magda Soares e Artur Gomes de Morais, o caminho, em tempos remotos ou presenciais, é alfabetizar em contexto de letramento, considerando as três facetas da alfabetização: 

  • Facetas linguística (apropriação do sistema alfabético-ortográfico e das convenções da escrita); 
  • Sociocultural (eventos sociais e culturais que envolvem a escrita); 
  • Interativa (habilidades de compreensão e produção). 

Enquanto a faceta linguística envolve o processo de alfabetização, as facetas interativa e sociocultural englobam o letramento. Em relação a essas facetas, devemos organizar o currículo respeitando o desenvolvimento infantil e as necessidades das crianças. Embora o desenvolvimento biológico aconteça, independente da pandemia, pois está ligado ao organismo em si, o desenvolvimento cognitivo e social precisam ser repensadosFizemos uma breve sugestão do que deve ser priorizado em cada etapa do ciclo de alfabetização, de acordo com Morais, 2012 (enxergue isso com os olhos sensíveis de um professor protagonista que sabe a necessidade das adaptações): 

 

Educação Infantil: ampliar as habilidades de uso da linguagem escrita nas situações do seu cotidiano, bem como iniciar a aprendizagem sobre alguns princípios do sistema de escrita alfabética (SEA). 

1º ano: dominar os princípios básicos do SEA, compreender seu funcionamento, aprender algumas convenções de letra-som. 

2º ano: consolidar as convenções grafema-fonema para manejar com segurança as correspondências grafo-fônicas e desenvolver maior fluência de leitura e de escrita com autonomia. 

3º ano: avançar no domínio da norma ortográfica, superando problemas com diversos casos regulares (R/RR, por exemplo). 

 

Devemos lembrar que estar alfabético é diferente de estar alfabetizado, por isso, este ciclo leva mais de 3 anos. Enquanto estar alfabético significa apropriar-se das relações de letra e som, sabendo escrever e decodificar palavras, estar alfabetizado significa ler com fluência, compreender pequenos textos e produzir com autonomia os gêneros que puderam aprender na escola. O nosso desejo, portanto, é que as crianças estejam alfabéticas no fim do 1º ano, mas o processo de alfabetização leva mais tempo. Para sugestões de atividades práticas de alfabetização, baixe o nosso ebook!

 

Como é possível ensinar e avaliar estes objetivos na pandemia? 

 

1 – É tempo de reconstruir o tempo: o tempo de aprendizagem é cultural, e se é cultural, pode ser modificado. Podemos repensar na distribuição do currículo, conforme o que foi possível de ser realizado. 

2 – Foque na APRENDIZAGEM e não na burocracia de menções e notas: cada família, cada escola, cada turma, cada aluno… cada um viveu diferentes realidades. Alguns alunos tiveram toda estrutura, internet, impressora e até professoras particulares para os ajudarem com as tarefas escolares. Outros compartilharam um único telefone com os irmãos, quando tinham. Por isso, não devemos focar nossas energias na burocracia das avaliações, devendo atentar muito mais para a aprendizagem e o protagonismo do nosso aluno! 

3 – Avaliação: não é só o instrumento de avaliação que vai me dizer como o meu aluno aprende, tendo em vista que, em época de pandemia, há muitas interferências (alguém pode o ajudar, ele pode não ter os recursos necessários…). A avaliação sempre deve ser processual e formativa! Sendo assim, se faz necessário esclarecer dois aspectos: 

  • Registro do testemunho do desempenho do alunomuda conforme a escola, pode ser através de parecer descritivo, boletins, menções, notas 
  • Processo avaliativo: não deve mudar conforme a escola, pois é um ciclo que se repete continuamente, envolvendo planejamento, ação, observação, reflexão, planejamento, ação, observação e reflexão (e assim sucessivamente). 

Para melhor ilustrar a ideia da avaliação, definimos 4 aspectos importantes de serem considerados e colocamos um exemplo para melhor compreensão: 

1 – Definição do que será avaliado 

– Ler e escrever e palavras com regularidades contextuais simples, utilizando corretamente as relações fonografêmicas de R/RR. 

2 – Construção do instrumento de avaliação 

–  Ditado de palavras; 

– Leitura de um texto e as crianças precisam apenas registrar as palavras que ouvirem que possuem R. 

3 – Planejamento da situação de avaliação 

– Leitura do texto pela professora; 

– Atividade individual em folha pautada para ser entregue. 

4 – Registro/sistematização e interpretação das informações 

– Professora registra em uma tabela o nome do aluno e o seu desempenho; 

– Anota as observações do que precisa de intervenção mais específica; 

– Usa a mesma tabela para fazer registros em diferentes momentos, ficando mais fácil de enxergar o seu processo. 

 

Está mais calma agora? Esperamos ter te ajudado! 

Gostou do conteúdo? 

Siga @clarissapereirapedagoga nas redes sociais. Lá, nós postamos conteúdos diários para deixar sua prática mais leve e doce.      

Abraço,
Professora Clarissa Pereira e Camila Oliveira       

(Texto redigido por Camila Oliveira e revisado por Clarissa Pereira) . 

 

4 Comentários


  1. Muito bom Clarissa está forma de avaliar o aluno, não somente em notas mas com o objetivo de desenvolver a influência leitor na criança.
    Parabéns.

    Responder

  2. Olá! Gostei bastante da leitura.
    Me deu algumas ideias que com certeza me ajudarão nessa volta em 2021. Por aqui continuaremos com o ensino remoto. Pelo menos por enquanto.
    Abraços a toda equipe!

    Responder

Deixe um comentário para Clarissa Pereira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *